Mais de três milhões de haitianos estão em situação de insegurança alimentar grave

Bolsonaro enaltece Moro, após decisão do STF que deve soltar ex-presidente Lula
8 de novembro de 2019
Presidente chileno é acusado de crimes contra a humanidade
8 de novembro de 2019

Mais de um em cada três haitianos se encontra em situação de insegurança alimentar “grave”, uma consequência da crise econômica, dos distúrbios sociais e da redução da produção agrícola, adverte o Programa Mundial de Alimentos (PMA).

Em uma entrevista coletiva em Genebra, Hervé Verhoosel, porta-voz do PMA, afirmou que um estudo realizado com 11 milhões de haitianos em outubro mostrou que quase 3,7 milhões sofrem “insegurança alimentar grave” e, entre eles, mais de um milhão estão em situação de “emergência”.

De acordo com as cinco fases da classificação da segurança alimentar (IPC) utilizada pelo PMA, a situação de “emergência” (fase 4) significa que as famílias enfrentam dificuldades extremas para atender suas necessidades alimentares. A fase cinco é a situação de “fome”.

A ONU informou que pelo menos 42 pessoas morreram desde meados de setembro em manifestações organizadas nas principais cidades do Haiti para exigir a renúncia do presidente Jovenel Moise, um movimento que paralisa as atividades econômicas do país.

“Sem ajuda humanitária, a situação vai se deteriorar ainda mais”, advertiu Verhoosel. “O número de pessoas que precisam de ajuda alimentar urgente passará de 3,7 milhões a 4,1 milhões em março de 2020”, completou.

Diario do Nordeste