Alunos cearenses criam App para ensino da matemática e nível de proficiência chega a 70%

Para superar os desafios na aprendizagem na área das ciências exatas, ainda gargalo no Ceará, alunos do ensino médio e professores da Escola Estadual de Educação Profissional Marta Maria Giffoni de Sousa, localizada em Acaraú, interior do Ceará, desenvolveram o projeto “Be!Math: A Tecnologia como figura de mediação pedagógica”. O objetivo da ferramenta é identificar as dificuldades dos estudantes na área e desenvolver um processo de ensino-aprendizagem de forma mais interativa.

O projeto foi criado em 2018 e, no mesmo ano, o percentual de alunos do 1º ano do ensino médio com desempenho adequado em matemática passou de 16,6%, na primeira avaliação do ano, para 47,7% na última, realizada em dezembro. Já em 2019, os resultados foram ainda mais animadores, saindo de 17,7% de alunos em nível adequado para 74%.

 

Aulas e material didático online

 

Os professores colaboram com vídeos e aulas gravadas, que ficam disponibilizados na plataforma. “O projeto contribui significativamente para o processo de aprendizagem, visto que o uso das tecnologias em sala estimula e motiva os alunos a participarem de todo o processo de aprendizagem”, destaca Luana Rios, professora e orientadora do projeto.

“A plataforma Be!Math veio como ferramenta de mediação entre alunos e professores, proporcionando em um único espaço virtual diversos materiais, como vídeos, PDF’s e listas de exercícios que foram construídos pelos professores e alunos da própria escola”, acrescenta.

A professora destaca, ainda, que “os alunos se tornaram protagonista do próprio aprendizado”. “A tecnologia é uma aliada ao ensino da Matemática e das demais disciplinas. Nossos alunos têm uma facilidade enorme de lidar com essas ferramentas tecnológicas. Então, por que não usá-las ao nosso favor?”, aponta.

 

Adesão

 

O projeto ganhou novos apoiadores e tem boa adesão dos alunos. Para ser formulado, foi desenvolvido um questionário, que levantou as principais dificuldades dos discentes e ajudou na elaboração das melhores estratégias de aprendizagem. Em pouco tempo, os resultados já são visíveis.

Por enquanto, o aplicativo está disponível apenas para os estudantes da instituição. Os professores enviam um link para que eles possam baixar a ferramenta. Em 2020, a intenção era expandir o projeto e poder disponibilizá-lo para mais alunos. “Devido à pandemia, tivemos que parar um pouco”, lamenta a professora Luana Rios.

Em 2019, o Be!Math recebeu menção honrosa no Desafios Criativos da Escola, iniciativa que faz parte do Design for Change, movimento global surgido na Índia e presente em 65 países. Com o sucesso e premiações, também no Ceará, o projeto espera, agora, disponibilizar o aplicativo no Play Store, o que facilitará a adesão de mais estudantes.

 

Fonte: G1/CE

Veja Também