Categorias

O que continuará a encarecer sua conta de luz em 2019

 

Quase metade do custo da energia corresponde a tributos e encargos como Imposto sobre Circulação de Mercadorias e (ICMS), Programa de Integração Social (PIS) e Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins). O restante é divido para operação, expansão e manutenção da rede elétrica. Mas ainda tem mais. Houve diversos aumentos devido a tarifas adicionais nos últimos anos e a conta de luz deve continuar a encarecer em 2019.

 

Isso porque fatores estruturais, econômicos e climáticos influenciam. A estiagem é um deles. Se não tem chuva abastecendo os reservatórios, são aplicadas medidas para contenção do consumo e busca de outra fonte de geração de energia.

Entre os métodos de contenção estão as bandeiras tarifárias, implantadas por Regulamentação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em 2015. Quando o nível dos reservatórios está bom, é aplicada a bandeira verde; mediano vigora a amarela, crítico e grave é usada a vermelha em dois patamares. O aumento na conta de luz vai de R$ 0,010 a R$ 0,050 a cada 100 quilowatt-hora kWh consumido.

 

Em abril último, a tarifa média começou a vigorar no Brasil. A partir de junho, a bandeira vermelha passou a impactar na conta e tem sido aplicada desde então. Outro fator que puxou o aumento neste ano foi a tarifa social, desconto de até 65% concedido a famílias baixa renda. O custo deste benefício é de R$ 16 bilhões, destinados à Conta de Desenvolvimento Energético (CDE). No entanto, quem está pagando pelo subsídio é o consumidor.

A inflação também encareceu a despesa. Na passagem de agosto para setembro, a conta de luz aumentou 0,46% no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Esses acréscimos foram sentidos em dobro pela microempreendedora Lene Farias, 27. Ela depende da energia seu salão de beleza, no bairro Maraponga. “Há uns três meses, levei um susto grande quando a conta chegou”. O jeito foi economizar em casa e mudar os hábitos. A empreendedora passou usar menos ventilador e outros eletrodomésticos.

 

E os preços podem subir ainda mais em 2019 com a ativação de termelétricas, usinas utilizadas para dividir a distribuição de energia com as hidrelétricas. Algumas são movidas a óleo diesel, o que gera custos adicionais ao consumidor.

 

(Fonte: O Povo)

Redação Atitude Online

 

Comentar Via Facebook

Comentários