Só um dos cinco cearenses da comissão especial concorda com a reforma da Previdência

Itapajé: setor de emergência registra entrada de motociclista com escoriações após acidente
27 de abril de 2019
Ônibus desce ribanceira e cai em canal na cidade de Meruoca
27 de abril de 2019

Cinco deputados federais cearenses, sendo um suplente e quatro titulares, integram a comissão especial da reforma da Previdência. Apenas um deles defende a proposta. Os demais têm divergências, em maior ou menor grau, em relação à proposta de emenda à Constituição (PEC) proposta pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL).

André Figueiredo (PDT), Capitão Wagner (Pros), Heitor Freire (PSL), Mauro Filho (PDT) e suplente José Guimarães (PT) integram o colegiado.

Um dos principais apoiadores de Bolsonaro no Ceará e líder do PSL estadual, Heitor é favorável à reforma. “Quanto antes ela for aprovada, o prejuízo será menor para o Brasil, cabendo destacar que a minha função é ouvir a sociedade em cotejo com a proposta do governo”, disse o pesselista.

Além disso, o parlamentar defende que o texto seja acatado da forma como foi proposto. Entretanto, ele afirmou estar “aberto” a sugestões dos outros parlamentares e da população.

Em contrapartida, o deputado federal pelo Partido do Trabalhadores (PT) José Guimarães, que integra o bloco de oposição ao Governo, tem atuado contra a aprovação das novas regras para aposentadoria. Em sessão tumultuada na última terça-feira, 23, foi dado parecer favorável a reforma na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), por 48 a favor e 18 contra.

José  Guimarães (PT) criticou a aprovação no texto na CCJ. O petista disse à imprensa que a bancada de seu partido apresentou pedido de inadmissibilidade da PEC e a classifica, do ponto de vista jurídico, como “inadmissível”. “É claro que a Previdência precisa até de reforma, mas não pelo lado fiscal, mas pelo lado da receita. Quer discutir a reforma da Previdência, então vamos discutir, começa a cobrar os sonegadores, mas desse jeito não é possível”, concluiu o político.

Apoiador de Bolsonaro no primeiro e segundo turno das eleições de 2018, Capitão Wagner, deputado federal eleito com mais votos no Ceará, deixou claro que “não era obrigado a concordar com tudo” proposto pelo presidente. O parlamentar é contra o texto que foi apresentado pelo pesselista.

 O  parlamentar afirmou que muitos pontos devem ser alterados, a exemplo, a questão do Benefício de Prestação Continuada (BPC), o regime de capitalização, aposentadorias especiais para quem corre risco, entre outros. Wagner disse ainda que é contra a forma de tratamento que está sendo dado às mulheres, com mesma idade que os homens no regime próprio.

“Na comissão acredito que não vai ser aprovada tão fácil, mas vai passar. Logicamente, para que todas essas alterações sejam feitas, vai demandar bastante tempo”, disse Wagner sobre o futuro da reforma da Previdência na comissão. No entanto, ele afirmou ter dúvidas quando a aprovação do texto no Plenário.

Quem também se mostrou contrário à proposta de Bolsonaro foi o deputado federal André Figueiredo (PDT). O pedetista disse à reportagem que o texto apresentado “não está combatendo privilégios”, mas “tirando direito de quem já tem pouco”. O parlamentar também criticou pontos como o BPC, o regime de capitalização, o cálculo da pensão por morte, além da regra de transição.

Para Mauro Filho, a reforma da Previdência é necessária, mas não da forma como tramita na Câmara dos Deputados. A sigla do parlamentar, o PDT, deverá apresentar uma nova proposta para a reforma da Previdência.

“Nós concordamos, inclusive, com o regime de capitalização, mas complementar. Ou seja, nós defendemos um pilar social de um salário mínimo e não de R$ 400, como governo está propondo. Já o segundo pilar continuará mantendo o regime de repartição, mas reparametrizado, como aumento de idade e tempo de contribuição com o teto até R$ 4 mil”, disse o ex-secretário da Fazenda do Estado do Ceará.

 

Fonte: O Povo

Atitude Online