Brasil x Venezuela: alegria, cabeça boa e gol “anti-vaia” são trunfos da Seleção para ganhar o povo

Ceará: Flamengo também tentou Luiz Otávio; multa contratual subiu para dois dígitos
18 de junho de 2019
Atitude Empreendedora – Conheça a História do Empreendedor Antônio Góis
18 de junho de 2019

Sempre que a seleção brasileira joga em casa há o costume de prever como será a relação com a torcida. Outro clichê está na expectativa de que a equipe seja mais bem recebida no Nordeste. Nesta terça-feira, o Brasil enfrenta a Venezuela, às 21h30, na Fonte Nova, em Salvador, em mais um teste que extrapola aspectos táticos e técnicos, e entra com tudo na mente dos jogadores.

Na estreia, se por um lado a Seleção deixou a desejar no desempenho em parte da vitória por 3 a 0 sobre a Bolívia, especialmente no primeiro tempo, por outro obteve conquista rara. Foi a primeira vez, dentro dos quatro torneios sediados em casa nos últimos sete anos, que a equipe venceu sem ter feito gols no primeiro tempo.

Aquele gol “anti-vaia”, “antinervosismo”, que carrega o torcedor para o lado. Quanto mais demora para abrir o placar, mais improvável se torna o triunfo. No Morumbi, a torcida vaiou ao fim da etapa inicial, mas os comandados de Tite cumpriram um dos mandamentos do técnico: manter o nível alto de concentração durante toda a partida.

– Nossa cabeça nos comanda. É a experiência que tive. No Corinthians, demorou seis meses para o torcedor entender o jeito que a equipe jogava, que não iria jogar com bola longa porque a característica era rodar. É uma variável que não temos condições de controlar, mas temos que saber lidar com pressões, compreender, mas ficar atentos a fazer o melhor trabalho. Ao desempenho individual, coletivo, e saber absorver as melhores situações – comentou Tite.

Fonte: GE