Itapajé registrou no ano passado 3.705 casos de “virose da mosca”; cuidados básicos de higiene podem evitar a doença

O início do ano é caracterizado pela quadra chuvosa, que favorece o aparecimento de algumas doenças. Uma dessas doenças, de nome incomum, tem aumento vertiginoso de casos. Conhecida cientificamente como Doença Diarreica Aguda (DDA) ou Gastroenterite Aguda, a “virose da mosca” ganhou este nome popular devido ao crescente aparecimento de moscas no período chuvoso do ano. Estes insetos pousam em áreas contaminadas e depois em alimentos, podendo transportar microrganismos que levam doenças para dentro de sua casa.

 

Apesar disso, a “virose da mosca” não é transmitida apenas pelo inseto. A transmissão ocorre principalmente por meio da contaminação de alimentos e água, o que pode acontecer através das mãos da própria pessoa ou de outras ou de outros insetos que transportem os microrganismos.

 

Os sintomas característicos da DDA são náuseas, vômitos, diarreia, febre, cólicas abdominais e desidratação, em casos mais graves. Persistindo os sintomas ou surgindo sinais de desidratação, o paciente deve procurar atendimento médico imediatamente.

 

Algumas condições – ambientares ou alimentares – também pode contribuir para o aparecimento da virose da mosca, tais como deficiência de higiene ambiental e pessoal, má higienização dos alimentos, ingestão de água sem tratamento, proliferação de insetos, coleta de lixo irregular.

 

Segundo a médica infectologista da Unimed Fortaleza, Dra. Mônica Façanha, as causas do aparecimento de sintomas como esses, incluem vírus, bactérias e parasitas intestinais. E, dentre os vírus, o mais frequente costuma ser o rotavírus. “O tratamento começa pela hidratação do paciente. Água de coco, sucos e caldos devem ser ingeridos em pequenas quantidades várias vezes ao dia”, explica a Dra. Mônica.

 

A prevenção passa por cuidados básicos como sempre lavar as mãos com água e sabão, utilizar álcool gel, sempre que puder, ter cuidado ao manusear e preparar alimentos, sempre lavar as mãos antes e depois de usar o banheiro, lavar bem as frutas e verduras, manter o ambiente limpo para proteger os alimentos de moscas, baratas e outros vetores.

 

Fonte: Unimed

 

Itapajé

 

No município de Itapajé foram registrados no ano passado 3.705 casos de atendimento médico na rede pública em decorrência de Doença Diarreica Aguda, os dados são da Secretaria Estadual da Saúde.

 

 

 

Veja Também