Categorias

Idosa é feita de refém durante assalto a uma joalheria no interior do RJ

 

Após ser feita refém durante um assalto a joalheria no Centro de Valença, RJ, a idosa de 83 anos recebeu a visita do comandante do batalhão da polícia militar e outros agentes da PM na tarde desta quarta-feira (05). Pelo menos cinco policiais estiveram na casa da idosa, que recebeu flores.

A vítima ficou cerca de 10 minutos na mira de uma arma de calibre 32. Apesar do susto, ela não ficou ferida e passa bem. “Pensei que fosse morrer. Pensei que tivesse chegado a minha hora. Agora eu vou sair menos de casa”, comentou a idosa. A família pediu que a identidade dela não fosse divulgada.

O caso aconteceu durante a manhã, depois que o suspeito assaltou a Joalheria Barra Joias. Testemunhas informaram que o homem anunciou o assalto enquanto colocava brincos e pingentes na mochila, avaliados em R$ 50 mil.

A dona do estabelecimento saiu e acionou a polícia. Ele percebeu e fugiu do local em direção ao Mercado Municipal, sendo perseguido por um segurança da loja. Uma viatura passou e começou uma nova perseguição. Nessa hora, o assaltante fez a senhora refém.

Moradores que presenciaram a ação gravaram vídeos (logo a baixo). Nas imagens é possível ver o assaltante armado, segurando a vítima, enquanto um policial apontava a arma em direção a ele. Pessoas gritavam para ele soltar a idosa. Em um momento, ela tropeça nos paralelepípedos e cai no chão, e o policial atira contra o bandido, que morre na hora.

O comandante do 10º batalhão da PM de Valença, Tenente Coronel Marcelo Teixeira, disse que foi a decisão correta a se fazer.

“Temos a convicção de que a vida é o maior patrimônio de um ser humano. Numa ocorrência policial dessa natureza, a gente precisa estabelecer uma prioridade, e ela naturalmente vai recair sobre a pessoa de bem. Diante do cenário, de frações de segundos, os policiais decidiram pela escolha técnica que foi a melhor possível. A escolha para o assalto e para fazer a senhora de 83 anos de refém foi do criminoso e, naturalmente toda escolha tem consequência”, concluiu o comandante.

Segundo os agentes, a família do suspeito é de Itatiaia, no Sul do Rio, e era aguardada para realizar o reconhecimento do corpo.

Cidade pacata com número baixo de roubos e homicídios

 

Segundo dados do Instituto de Segurança Pública (ISP), o número de homicídios caiu pela metade no município, em relação ao ano passado. Em 2017, foram registrados seis homicídios dolosos, contra três registrados em 2018.

Porém, o número de roubo a estabelecimentos comerciais aumentou na cidade. Em 2017, apenas um assalto foi registrado, contra quatro deste ano. As informações são refentes ao período de janeiro a outubro.

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2010, Valença tinha um pouco mais de 76 mil habitantes. E é considerada pelos moradores como uma cidade pacata e tranquila.

Fonte: G1.com

Atitude Online

Comentar Via Facebook

Comentários