Categorias

Plataformas ajudam eleitor a fiscalizar políticos com mandato

O resultado das últimas eleições no Brasil deixou uma mensagem de que o eleitor quer mudanças no cenário nacional. E parte da solução para os problemas do País estará no acompanhamento e na fiscalização dos mandatos por parte dos cidadãos. Mais do que um direito, monitorar as ações públicas de gestores e parlamentares é um dever cívico. E o Diário do Nordeste lista oito plataformas, entre aplicativos (apps) e sites, que podem ajudar nessa tarefa com apenas um toque no celular ou no computador.

Uma delas é o aplicativo “Meu Deputado”, desenvolvido em 2015. O app exibe gastos de verbas públicas, presenças em plenário e os votos dos parlamentares da Câmara dos Deputados em projetos importantes e polêmicos que estejam em tramitação. Ao abrir o aplicativo, o cidadão pode acessar de forma individual, por estado ou por partido, as despesas dos deputados com alimentação, combustível, passagem, hospedagem, entre outros. E ainda saber quanto eles gastaram por mês.

Com base nesses dados, o sistema então faz um ranking dos parlamentares que mais “torraram” a verba de gabinete no mês e também compara os gastos entre até quatro deputados federais à sua escolha. O eleitor ainda pode “favoritar” aqueles parlamentares que quer priorizar no acompanhamento. Segundo um dos criadores do aplicativo, Cláudio Dias Júnior, aluno de Ciências da Computação da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), as informações são colhidas a partir da Câmara Federal.

“A gente entrou em contato com a Câmara, porque tem a Lei da Transparência, e eles disseram que os dados são abertos. Então, a gente criou um robô que lê as informações da base de dados, a gente armazena e exibe as informações de um jeito mais ‘amigável’. O robô lê duas vezes por semana as informações da Câmara. Os deputados têm até três meses para apresentar nota fiscal, então a gente coloca três meses e meio para o prazo de leitura”. O “Meu Deputado” tem mais de 50 mil usuários, atualmente.

 

 

Fonte: DN

Comentar Via Facebook

Comentários